quarta-feira, 16 de junho de 2010

Os Apóstolos, os Após-Tolos e a Reforma Atual

Um número sem precedentes de líderes tem se empenhado em obter o título de Apóstolos na atualidade. Acredito que pouco antes de Jesus voltar muitos estarão exercendo plenamente o seu ministério de autoritarismo, dominação, falsas curas e de palavras “proFétidas”, que cheiram mais a ignorância, do que a uma meia verdade.

Ser evangélico hoje é um status, é a religião da moda. Temos crescido de forma estrondosa, mas em compensação a pobreza, a corrupção e a violência também têm aumentado. Então, onde está a diferença que deveríamos estar fazendo? Cadê a autoridade apostólica interferindo nestes números, nestas estatísticas?

Os pastores, principalmente aqueles que não tem visão, que são mercadores da fé e manipulam o povo, tem guiado milhares (ou talvez milhões) de pessoas que não conhecem o Deus que servem, mas precisam de alguém que governe que reine que faça uma intermediação entre o homem e Deus. Esta figura é a do pastor.

E disse o SENHOR a Samuel: Ouve a voz do povo em tudo quanto te dizem, pois não te têm rejeitado a ti, antes a mim me têm rejeitado, para eu não reinar sobre eles.

Então o SENHOR disse a Samuel: Dá ouvidos à sua voz, e constitui-lhes rei. Então Samuel disse aos homens de Israel: Volte cada um à sua cidade. 1 Sm 8.7, 22.

Homens e mulheres têm buscado se aproximar de Deus e chegam à Igreja com muitas dúvidas, crises e necessitam de libertação e cura. Chegando lá, encontram líderes egocêntricos, pouco preocupados ou distantes do rebanho devido ao tempo ou ao tamanho da igreja. Acabam por encontrar também, pastores feridos e machucados, que não podem ajudá-las. Ao serem recebidas, ao invés de crescerem através dos cultos de doutrina, cultos de oração e escola dominical, são enviados a uma célula que tem como único objetivo a multiplicação. Tenho certeza de que a visão celular pode e é uma visão de Deus para igrejas, mas como a multiforme ação do Espírito, não é para todo o Corpo de Cristo. Esta visão é para pouco, para aqueles que são chamados e capacitados para isto.

A extinção e a diminuição do contato com a Palavra são demoníacas, conforme já nos tinha avisado Daniel Mastral em seu livro Filho do Fogo, onde detalha sobre a infiltração demoníaca nas igrejas evangélicas, com o objetivo de destruí-las. Há mais música do que bíblia nos cultos. Já estão criando o hábito de não lê-la e não levá-la para a igreja, consequentemente, menos se aprenderá e se aplicará sobre a Palavra de Deus. Há músicas que exaltam a Promessa (to procurando a minha até hoje), o dízimo, a célula, mas e cadê Jesus, cadê os hinos de louvor a Deus?

Estamos criando verdadeiras aberrações, que são pessoas que tem muito tempo de igreja, mas que cresceram pouco na fé. Faltam a estes cristãos a visão critica e a capacidade de questionar tudo o que vêem e ouvem dentro e fora das igrejas. Dependem ainda de leite, de profecias e de “profetadas”, de pastores e líderes que digam o que devem fazer e o que devem pensar.

Esta na hora da verdadeira Igreja, a Noiva acordar. Os Apóstolos (ou Após-Tolos) só perceberão o erro quando os verdadeiros cristãos forem arrebatados. Uma nova Reforma Protestante precisa acontecer em paralelo ao crescimento massificado de evangélicos que temos visto no Brasil e no mundo.

Esta nova ou segunda Reforma não pode ser abrigada por uma igreja ou por líderes que lucrarão com isto, será manifesta por pessoas engajadas com o Reino de Deus. Existe uma necessidade de que a mudança ocorra de dentro para fora, alcançando os perdidos, mas também aqueles que estão cegos e aprisionados pelo sistema religioso que chamamos de Igreja, pois a vontade do Pai é de que ninguém se perca.

Oremos para que esta Reforma se inicie em primeiro lugar em nossos corações, para depois alcançar dimensões maiores, gerando união, amor e os frutos que podemos considerar como do Espírito e não da carne.

(Porque o fruto do Espírito está em toda a bondade, e justiça e verdade); Aprovando o que é agradável ao Senhor. Ef 5.10-11.

Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra estas coisas não há lei. E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências. Gl 5.22-24.

Em Cristo,

Antonio Carlos.

3 comentários:

JOELSON GOMES disse...

Obg pela visita ao GRAÇA PLENA, parabens pelo blog, Deus o abençoe e volte sempre.

Joelson Gomes
http://gracaplena.blogspot.com

Anônimo disse...

Na verdade sempre as pessoas são interessadas em titulos. Isso sempre existiu. Conheço um cara que não terminou o primario e tem uma frustração em não ser doutor. Como na igreja dele pastores não são obrigados a ter estudo, por motivo do crescimento do trabalho ele foi levantado a pastor e faz questão desse titulo. Eu o conheci ainda como simples membro e agora que ele é pastor tenho que chama-lo pelo titulo. Então isso tudo leva voce a ser simplesmente cristão e não olhar os erros dos outros e seguir sua vida pedindo orientação somente a Deus.

Francisco Araújo Netto disse...

Tonhão, Paz.... Parabéns pelo seu excelente trabalho neste blog. Muito bom! Estou te seguindo e te convido também a conhecer o meu blog.

Link de acesso:
http://wwwteologiavivaeeficaz.blogspot.com/

Att.,

F. A. Netto